quinta-feira, 2 de julho de 2009

Vida de artista


Dário Borim Jr.
A noite de cinco de junho foi muito especial, por vários motivos. Ocorria uma vernissage de belas obras de escultura e pintura. Quem expunha era uma artista russo-americana nascida em Leningrado, Yelena Sheynin, uma loira engraçada, faladeira, risonha e emotiva. Tem cara de lua, como se fosse escandinava, e baixa estatura e muita energia, como se fosse italiana. Lá na galeria Colo Colo, de um amigo, o pintor chileno Luís Villanueva, fui comer queijo e tomar vinho de graça, rever os amigos e examinar os trabalhos.

Fiquei conhecendo o indivíduo mais alto entre todos os presentes, um senhor de cabelo ondulado, bem grisalho, e com aparência de artista. A harmonia das nossas cabeças foi imediata. Uma das primeiras coisas que conversamos foi sobre relações entre pais e filhos (de homem pra homem). Eu lhe perguntei se era pai. A resposta dele foi romanesca. Primeiro disse: “Que eu saiba, não”. Isso é normal homem dizer, porque quem sabe se de verdade tem ou não tem filho é a mulher, não é? Mas o que me pareceu curioso foi o seu complemento à resposta: “Mas não tenho certeza. Uma vez briguei com uma namorada, e depois disso nunca abri quatro ou cinco cartas que ela me mandou”.
Charles deixava assim um enorme mistério em torno do caso, como um romance (livro) que acaba com um final aberto a múltiplas interpretações. Ontem mesmo tive a oportunidade de reciclar esse diálogo, e ouvi gente incriminando o sujeito, já assumindo que a moça estivera grávida e que ele não teria tido coragem de assumir o filho. Acho que era arriscado demais ir tão longe e culpar o sujeito. Se um filho de fato tivesse nascido, a mãe provavelmente teria dado um jeito de achar o pai.

O gigante disse que estaria completando 70 anos em poucas semanas, e que já tivera uma vida cheia de aventuras. Morou por cinco anos na Alemanha, em Hiedelberg, e por 35 anos na Bélgica, em Bruxelas ou perto de Bruxelas. Viajou por quase todo o mundo, sempre procurando visitar os locais onde viveram grandes artistas e grandes escritores. Por exemplo, foi à Índia e lá alugou, por algumas semanas, a casa onde morou o escritor alemão Hermann Hesse ao escrever o livro Siddhartha. Charles falou que gostava de absorver a energia criativa que ficava impregnada nas paredes e nos ares dessas casas. Nossa conversa me fez recordar da casa onde morou a grande poeta americana Elizabeth Bishop, em Ouro Preto. Um amigo meu, o Lucas Magalhães, alugou essa moradia por uns tempos e lá passei uma agradável tarde. Li um poema entalhado no vidro de uma janela e também cheirei um pouco de poesia no ar.

Charles contou sobre os anos 70, época em que alugou por pouco dinheiro um castelo de dezoito cômodos na Bélgica. Disse que ninguém naqueles tempos queria morar no campo. Dava aulas de história da arte em Bruxelas e no verão alojava estudantes de universidades americanas naquele castelo. Pensei com meus botões, “eu também gostaria de ter esse tipo de negócio um dia”.
Depois falamos de correspondências. Charles afirmava que tinha todas as cartas que recebera num período de 30 anos! Eu lhe disse que tinha uma boa parte das cartas que recebera ao longo de toda a minha vida! Estão “arquivadas” para posteridade em três ou quatro sacos plásticos em Paraguaçu – um verdadeiro tesouro de minhas experiências de vida e daquelas de meus parentes e amigos. Além disso, eu venho guardando ao longo dos anos várias dezenas de fitas cassetes que recebera de namoradas, amigos, e família, gente conversando comigo. Jill, uma namorada que morava em Wiesbaden, na Alemanha, gravava as fitas nas ruas, nos parques da cidade, e até mesmo ao tomar banho numa banheira bem confortável.

Charles então confessou que andava gravando os roteiros de seus sonhos. Vem narrando essas experiências do subconsciente antes de esquecê-las. Achei excelente a idéia e me lembrei de uma fita cassete que escutei essa semana. Tem uma conversa de 90 minutos que 20 anos atrás eu tivera com Carlos, um astrólogo, sobre meu mapa astral e o de minha noiva, Ann, com quem me casaria um ano depois. Os mapas, incrivelmente acertados (e comprovados ao longo de duas décadas), foram presentes de minha irmã Silvana, uma interessante forma de preparação para o matrimônio. Em seguida falamos de instant messages e como as relações interpessoais haviam mudado radicalmente nessa era de torpedos, Skype, emails e tudo mais. Mas este é um assunto para outra crônica.

8 comentários:

Carla disse...

Crônica muito agradável de ler. Histórias curiosas de pessoas que parecem saber viver! Bacana. Beijos, Cacá.

Rose disse...

Isso é uma crônica de fato, legítima, Dario.

ADOREI

Rick disse...

Very nice piece, as always. (I have two boxes full of Blanca's letters to me. She used to write me twice a day before the advent of the Internet.)

I'm glad you're having fun!

Um abraco, Rick

Olivia disse...

Adorei a crônica, e olha que ontem passei pela sua página pra ver se tinha texto novo!

Eu já fui colecionadora de cartas, hábito que tinha qdo criança e que se estendeu até o início da adolescência. Toda semana, religiosamente eu ia ao Correio enviar alguma carta a alguém e frequentemente recebia muitas... pena que esse costume acabou por causa de emails, msn, torpedos... como vc disse. Pra mim, particularmente, a carta é algo sem substitutos. (cheguei a guardá-las por muito tempo, depois naõ mais).

Ah, tb tenho, aliás, meu pai tem algumas fitas K7 com gravações dos primeiros chorinhos (meu e do meu irmão), as primeiras palavras, as primeiras conversas de criança... muito engraçado e prazeroso. Gosto muito de ouvi-las.

Bom, adorei o texto, viu?
Beijos.

Cris disse...

Que delicia receber sua crônica hoje.

Estava trabalhando e foi uma pausa relaxante e energizante!
Como sempre adorei!

Primeiro, achei graça no vinho e queijo free ...

Logo depois vc conta a história do Charles, uma crônica dentro de outra, e achei interessante como um homem não possui a curiosidade de abrir cartas de um relacionamento que acabou, principalmente se nessas cartas pudessem revelar a existência de um filho. Para mim isso intriga mais do que a própria historia da existência deste filho. Ele demonstra ter se permitido viver experiências maravilhosas como morar na casa de Hesse e fazer de um castelo um albergue. E é curioso encontrar em uma noite, sem nenhuma expectativa, uma pessoa com tantas coisas em comum como sentir a energia em locais de grandes escritores, guardar as correspondências recebidas como um arquivo das experiências vividas e sentir as mudanças no cotidiano pelas novas formas de comunicação.

Com isso relembrar as fitas gravadas dos amigos, esse presente tão precioso de sua irmã e poder constatar nesses 20 anos a intensidade da análise do seu mapa astral. Faz com que retornemos ao passado e reformulemos nossa formação como indivíduos, o que é realmente nosso cerne, o que temos de característico e levamos para toda vida.

O que mais adoro em seus textos é essa magia de poder tirar de dentro de suas histórias as minhas próprias e poder revivê-las com uma nova perspectiva.

Vc é um bruxinho das letras que tem sempre um conto, uma história interessante pra contar com tanta harmonia e nos fazer viajar juntos nas suas narrativas.

Obrigada por me mandar essas pílulas de felicidade que fazem que esses dias se tornem especiais!

silvana disse...

Fico impressionada com a memória do meu irmão, uma conversa rápida e quanta coisa vem à tona!Artista é assim, né traduz a alma coletiva! Eu tb adoro ter os meus guardados e adorava mandar cartinha de boas vindas ao meu irmão nos E.U.A.20 dias no mínimo antes que ele fosse para dar tempo porque demorava muito!Crônica muito boa de ler,meu irmão parabéns! Abraço, Silvana

José Luiz disse...

Dario,

Como vai você!?

Agradeço o envio da crônica de que gostei. Entrei no site e já escuto a rádio. Tomara estar on line qualquer hora dessas, pra escutar você, aqui em Zagreb!

Abraço

José Luiz

Lisa disse...

Li e gostei! Obrigada. Lisa Godinho