domingo, 12 de dezembro de 2010

Afagos


Usamos, principalmente, a palavra falada e a palavra escrita para nos comunicarmos, mas o silêncio também diz algo em muitos contextos, inclusive aquele que Carmen Miranda jamais esqueceu. Caladas, as elites do Rio de Janeiro presentes ao Cassino da Urca em uma noite de 1940 transmitiram um desafeto histórico, uma mise-en-scène da indelicadeza. Depois de Carmen cantar uma, duas, três canções, não soou nenhum aplauso, somente aquele silêncio que dizia, nas suas estrelinhas vazias mas, mesmo assim, ferozes de rancor: “Nós não gostamos mais de você. Você está muito americanizada”. A bela e talentosa Carmen Miranda não se recuperou mais daquele silêncio.

Outras formas “mudas” de comunicação não ferem a ninguém. Muito pelo contrário, podem redimi-las da dor, da solidão e da saudade, saudade até daquele tipo antecipado, como foi a de Gilberto Gil em 1969. Após serem injustamente acusados de anarquistas subversivos e sofrerem a humilhação e o extremo desconforto de uma prisão solitária, ele e Caetano Veloso receberam uma “graça” da polícia: poderiam fazer um concerto em Salvador para que, com o dinheiro, comprassem passagens e sumissem do país. Daí que Gil quis cantar e, através de uma nova canção, despedir-se de seus amigos e dos brasileiros em geral, sem sequer poder anunciar sua partida. Parece que todo o país entendeu o seu recado: a sua velada mensagem de adeus e de amor. Até hoje usamos, no dia a dia, a mesma expressão de Gil, “aquele abraço”, que também é o próprio título da música. Era sem dúvida um doce e carinhoso abraço de milhões de almas oferecido por mais um de nossos artistas a caminho do exílio.

Assim como um bom abraço, o aperto de mão, o cafuné, o tapinha no ombro, o leve toque na cabeça ou nas costas, o beijinho social, o beijo apaixonado, e aquela boa soneca no colo da mãe ou do namorado — tudo isso pode nos dar o prazer físico da amizade e do amor, da compaixão e do perdão, do consolo e da cumplicidade. Cada um de nós deve ter na memória pelo menos um dia em que algo assim aconteceu e o mundo se transformou.

Para mim um daqueles instantes mágicos aconteceu há quase um ano, quando antecipei minha viagem de Paraguaçu a Belo Horizonte por um motivo muito triste. Um dos meus melhores amigos — e aqueles que me conhecem sabem que sou agraciado por um contingente de pessoas que me querem bem — tinha acabado de perder sua filha única, de 18 anos. Assim como a esposa Sônia, Geraldo já sentia no corpo a saudade antecipada e dolorosa da inesquecível Yumi, vítima da fúria das águas que caíram sobre Ilha Grande, junto a Angra dos Reis, no estado do Rio de Janeiro.

Nosso encontro em Belo Horizonte não foi nada comum. Deixou-nos a certeza de que a energia do abraço expressa mais que qualquer palavra, que querendo e podendo “dizê-lo”, nos tornamos muito mais fortes, nos tornamos até temporariamente donos de dois corações, como tão bem explica o autor anônimo do texto que transcrevo abaixo.

Aqui vai, então, o meu mais terno abraço, com votos de felizes festas, a todos vocês que me honram com a atenção e me lêem a cada mês. Pelo carinho que lhes tenho e em gratidão pelos nossos encontros às páginas d’A Voz da Cidade ou do meu blog, Ponteio Cultural, aqui segue um singelo presente de fim de ano: “A tecnologia do abraço”. Espero que gostem. Nasceu da mais profunda, porém despretensiosa, sabedoria do povo mineiro.

O matuto falava tão calmamente, que parecia medir, analisar e meditar sobre cada palavra que dizia...


— É... das invenção dos homi, a que mais tem sintido é o abraço. O abraço num tem jeito di um só aproveitá! Tudo quanto é gente, no abraço, participa uma beradinha. Quandu ocê tá danado de sodade, o abraço de arguém ti alivia. Quandu ocê tá cum muita reiva, vem um, te abraça e ocê fica até sem graça de continuá cum reiva. Si ocê tá feliz e abraça arguém, esse arguém pega um poquim da sua alegria...


Si arguém tá duente, quandu ocê abraça ele, ele começa a miorá, i ocê miora junto tamém. Muita gente importante e letrado já tentô dá um jeito de sabê purquê qui é qui o abraço tem tanta tequilonogia, mas ninguém inda discubriu.


Mas, iêu sei! Foi um anju de Deus qui mi contô. Iêu vô contá procêis u qui foi quel mi falô: O abraço é bão pur causa do Coração. Quandu ocê abraça arguém, fais massage no coração! I o coração do ôtro é massagiado tamém! Mas num é só isso, não. Aqui tá a chave do maió segredo de tudo. É qui, quandu nois abraça arguém, nóis fica cum dois coração no peito!...


26 comentários:

Patricia disse...

Que delícia, Dário! Bom receber essa crônica nessa altura do ano.
Um abraço carinhoso e boas festas,
Patricia

Olivia disse...

Daritcho! Saudades de vc, anda sumidinho que só, hein?

rsrsrs

Adorei sua crônica, mais uma vez!

Comigo tá td jóia, tenho novidades! Ah, vc já deve estar desconfiando do que seja. kakakakka

Beijo e um abraço beeeeeeeeeeeeeeeeem grande!

Liv.

Irene disse...

Dário, obrigada pelo envio da sua crónica. Gostei tanto! Irene

Carla disse...

Texto bacana. A foto diz tudo sobre o abraço e sobre o silêncio.
Nos vemos na terrinha boa! Beijos, Cacá.

Marisa disse...

Olá meu amigo,
Adorei o presente de aniversário...que poético: "an inspiration of faith and fun in life" WOW!!!
Não mereço tanto... sou somente uma seeker agradecida a Deus e satisfeita pelas pequenas pérolas do dia a dia... e pelas gdes tb, claro, como os gdes amigos,pelo carinho...
Super obrigada e desculpe o atraso. Faz dias que eu só dou uma olhadinha nos emails e bye bye laptop! Como agora por ex...tô chegando mas já tô saindo, só vim p/ te mandar esse recadinho!
Te escrevo mais, com certeza, amanhã ou depois. Falta só essa semana p/ eu sair de férias.
Bjs e um abraço gostooooooooooooooooooooooso como aquele da sua crônica,que por sinal, adorei!!!
Marisa

Nélida disse...

Bom dia Darinho, e mais uma vez OBRIGADA pelo afago na 2a feira cedo!
Grande abraço da amiga de sempre
Nélida

Paula disse...

Bom dia , Darinho!
Vc ja disse TUDO!!!
Quantas são as situações em que o toque , a troca de energia fisica "fala" mais alto que o som das palavras , soa melhor, se faz entender e sentir , mais que mil palavras!
Adorei!
Obrigada,tudo de lindo pra vc!
Afagos na alma!

Henriqueta disse...

Muito boa sua crônica, como sempre, tenho lido todas. Um abração e se não pudermos nos ver um Feliz Natal e um ano novo cheio de realizações. Abraços da prima Henriqueta

Zé disse...

Darinho ficou ótima.
Valeu o encaminhamento que recebi sobre o matuto.
ABRAÇO

Rosely disse...

Darinho,

Boas festas e um feliz novo ano!!!!
E como havia falado "adoro ficar com dois corações num peito"....!!!

Bjos pro´ce e família.
Rosely

Sandra disse...

Sandra wrote: "Darim, sem palavras... Aqui vai o meu abraço e coração para ti (tequinológico, mas sentido)"

Risa disse...

olha ai'...ja' vou eu com mais um abraco...
Risa.

Toninho disse...

Eh Dario,
Coisa linda, sô, as lagriminhas tão correno nos meus óio
abração, obrigado
Toninho

Teresa disse...

Gostei tanto da cronica,meu querido amigo!Gostei demais! Receba o meu abraço carinhoso para vc,Ann e os filhotes, com os melhores votos de um Feliz Natal e ótimo Ano Novo.

Se' disse...

Darinho,
Mais uma vez a sua nova crônica, Afagos, vem repleta dos mais nobres sentimentos! Além de nos enriquecer, um pouco mais, culturalmente, acalenta e muito a nossa alma. É, amigo, você tem o dom da palavra e a aproveita muito bem! Que bom para todos nós. Parabéns!
Adorei a história do mineirinho... É liiindooo imaginar que, no abraço, acontece a magia de se sentir bater, no peito, dois corações!!

Nina disse...

Irmão querido,
Deste assunto você entende mesmo. Mas que belíssima foto, que legal o texto, e que finalização divertida e verdadeira.
Adorei!!!
Bjinho carinhoso da mana Nina, que também adora um afago!!!

J.Frederico Schmidt disse...

Saudade de muitos abraços !!!!!!

Bom demais.

Um FORTE abraço !

J. Frederico Schmidt

Cris disse...

Darinho
Que crônica linda!!!!! Soube como ninguém mostrar o que é um verdadeiro abraço. Na foto entao...
Ameeeeeeeeeeeeeeeeeei!!!!

Lisa disse...

Dario,
Adorei as massagens do coracao e ter dois coracoes num abraco. Lindo.
Feliz Natal e bom Ano Novo--Saude!
Lisa

Og disse...

O Darinho é Fera!
Gostei muito da sua crônica,
principalmente da parte mineira.
Salvei para repassar ou mostrar para os amigos que por aqui comparecerem
Abração, Og

Frank disse...

Excelente, meu caro. Não sabia que "Aquele abraço" era de Gilberto Gil.
E que magnífico, esse texto em
mineirês (?).
Grande abraço, aquele abraço,
Frank

Binha disse...

Darinho,
Nossos corações estão mais próximos!
Um forte abraço.
Binha

Adriana Martins disse...

Dário,
Depois de ler o teu texto, recebe AQUELE abraço. Gostei!
Tudo de bom!
Adriana.

MARIA JOSÉ disse...

PARABÉNS DARIO !!!!!!!
FELIZ NATAL !!!!!!!
QUE 2011 VENHA REPLETO DE PAZ, AMOR, SAÚDE, MUITA LUZ, MUITAS ALEGRIAS, MUITAS POESIAS E MUITA MÚSICA!!!!!!!!!
GRANDE BEIJO PRÁ VC E FAMILIA!
MARIA JOSÉ

CARLA FABIANE... disse...

AMEI!
NÃO CONSEGUI TE ADD NO FACE...
UM BEIJO

Frank disse...

Caro Dario,
Ja tinha ouvido algo acerca de um publico brasileiro a rejeitar, mas nao sabia que tinha sido de forma tao severa.
E verdade, Dario, no meio de tanto stress academico e bom ter uma valvula para escapar e decomprimir. Ainda bem que voce tem esse outlet no seu excelente programa de radio e nas deliciosas cronicas, para nao falar na sua familia em Minas.
Espero que voce faca boa viagem para o Brasil.
Grande abraco,
Frank