terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Causos de avião




Dário Borim Jr.

Viajar é quase sempre bom. Quando a viagem é longa e passamos muitas horas ao lado de alguém que nos enche de histórias interessantes, melhor ainda. O acaso (será que isso existe mesmo?), então, reúne pessoas que, se estiverem num avião, acabam almoçando ou jantando e tomando umas biritas, como se fossem velhos amigos. Como gosto e, por causa de minha profissão, posso viajar amiúde, tenho tido várias oportunidades de desfrutar excelentes conversas pelos ares, atravessando mares e matas, longitudes e latitudes de um mundo vasto, mas cada vez mais acessível às pessoas de quase todas as classes sócio-econômicas. Como exemplo, Creuza, uma simpática senhora que faz limpeza na casa de minha irmã Silvinha há muitas décadas, foi recentemente a Lisboa visitar o filho.
Em minha mais recente viagem internacional também fui a Lisboa. No itinerário de ida, passei primeiro por Amsterdã. Na rota sobre o Atlântico assentei-me ao lado de Frank, um engenheiro alemão com quem conversei em inglês por horas a fio. Foram muitos os assuntos e, algumas, as garrafinhas de vinho tinto. Soube que além de criar cavalos nos arredores de Frankfurt, ele treina e chefia um grupo de vendedores e experts em assuntos ligados a seguros industriais operando em diversos países. São engenheiros (que não trabalham exatamente com engenharia) e outros profissionais. Não deixei de falar, com orgulho, de meu irmão Tatau, também engenheiro e também empurrado pelas circunstâncias a mexer com muito mais coisas do que engenharia ao atingir um alto posto na Vale, enorme empresa na área de minérios. Além do mais, Frank ficou sabendo que Tatau trabalhou por muitos anos para uma companhia alemã do ramo, a Ferteco.
Ao retomar esse assunto de longas viagens aéreas lembro-me, claro, que já escrevi algumas crônicas sobre outros excelentes companheiros que o destino me pôs ao lado. Ano e meio atrás foi a vez de uma jovem catarinense, Gabriela, cuja história pessoal me tocou e me inspirou a refletir sobre grandes mistérios, como o papel do amor, da amizade, e da morte de entes queridos nas nossas vidas.
Hoje quero recordar um encontro tão comovente quanto divertido, também em jornada rumo a Lisboa. Era minha primeira viagem a Portugal, há oito anos. Antes de chegar à bela capital às margens do Tejo, meu primeiro voo seguiria de Boston para Paris. Mal tinha eu assentado em minha poltrona quando comecei a perceber o jeito alegre de quem estaria ao meu lado pelas próximas oito horas. Wesley, um senhor de uns setenta e cinco anos, fazia brincadeira com a aeromoça antes mesmo de decolarmos. Quando as garrafinhas de vinho começaram a chegar, nós dois já levávamos um papo animado. Já éramos meio amigos. Ao sabor delas, uma após outra, tínhamos nos tornado dois meninos sorridentes.
A um dado instante, Wesley soube que além de professor universitário eu era radialista, com ouvintes espalhados pelo mundo afora. Ele se levantou e se voltou para trás para anunciar em voz alta a toda a cabine: "Gente, que honra! Estou assentado ao lado de uma celebridade da mídia!"
Logo quis saber de minhas pesquisas e tal. Disse-lhe que o tema de minha dissertação de doutoramento era a narrativa autobiográfica, assunto sobre o qual eu faria uma palestra na Universidade de Coimbra dali a poucos dias. Quando eu lhe disse que minha tese estava ali comigo, pediu para vê-la. E não é que esse senhor passou a ler ali mesmo, por vários minutos, algumas partes do meu primeiro livro?
Houve bastante tempo para Wesley me contar um pouco de sua longa história de vida. Nascido no País de Gales, tinha se mudado para os Estados Unidos com os pais e mais nove irmãos, todos fugindo da miséria que assolava certas partes da Europa na década de 1920. O destino inicialmente lhes foi ainda mais cruel. Seu pai logo morreu, deixando a esposa com dez filhos para criar em terra estrangeira onde, a seguir, chegou a Grande Depressão: desemprego em massa, fome, etc. Em tais anos de escassez geral, o governo do estado de Maine, onde moravam, não tinha pena de imigrantes: não lhes concedia comida subsidiada. A família de Wesley sobreviveria à base de peixes que todos pescavam. Eles os comiam ou trocavam por outros comestíveis.
O pior passou, e anos mais tarde Wesley foi para a França, onde serviu à marinha dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial. Disse que foi porque foi obrigado, mas foi com a determinação de não matar ninguém. Mesmo na linha fogo não atirava no inimigo.  Ocupou-se de carregar os colegas feridos ou mortos. Para ele o horror maior foi ver tantos deles perderem a vida nos seus braços. A seu modo, Wesley muito colaborou pela Tomada da Normandia, em 1944. Por conta dos serviços prestados ao povo francês naquele Dia-D, ele agora voltava à França, em viagem ao meu lado, para receber homenagens oficiais. Não queria. Não gostava de comemorações por motivo de guerra, mas acabou cedendo aos apelos vindos dos dois lados do Atlântico.
O tom de nossas conversas variou entre o jocoso e o patético, até que exaustos acabamos dormindo um pouco antes de aterrissar no aeroporto Charles de Gaulle. Antes, porém, presenciei mais um "causo" de humor desse grande homem. Quando furtivamente lhe disse que os óculos daquele professor-doutor à sua direita eram de marca Ph.D., ele disse que tinha uma surpresa, algo análogo àquela marca inscrita na armação dos meus óculos. Pediu que eu fechasse os olhos e que só os abrisse dali a segundos. Eu não tinha a menor ideia do que me esperava. Quando pude olhar para ele novamente, o ex-combatente pacifista estava com sua dentadura superior nas mãos: "Veja aqui, Dr. Dário. Você tem Ph.D. comprovado até nos óculos. Eu tenho minha identidade confirmada e nome registrado até nesse instrumento de minha velhice". Pensei com meus botões: com um humor desses, vai-se longe na vida, muito além da Normandia.

16 comentários:

Frederico disse...

Que bacana Darinho!!!
Esta crônica me emocionou.
Obrigado e um forte abraço!!!

Rosa disse...

ri muito, mas parece estoria de pescador rsrsrsrrs...

gostei das historias, but what a character this wesley, one chance in a million to meet some one like him rsrsrsrsr

Liv disse...

Adorei a crônica, Daritcho! Beijo!

cnassifl disse...

: )
Proporcionou um sorriso na madrugada de BH.
Valeu!
Beijo.

Célia disse...

Muito divertida, sua crónica! Quem me dera conhecer um Wesley numa próxima viagem longa de avião.
Ajudaria a passar o tempo e a chegar ao destino com um sorriso estampado no rosto. :-)

djborim disse...

Obrigado, Fred, Rosa, Liv, Clarissa e Celia--valeu!

Tuka disse...

Oi querido,
Obrigado pela cronica, imagino a cena do Sr. com a dentadura na mao...
Abracos,
Tuka

Lisa disse...

Li e adorei. Saio para o Mexico esta semana!
Abraço
lisa g.

Irene disse...

obrigada! acabei de ler e adorei. :)

Glória disse...

Li seu causo de avião, gostei muito!

Silvana disse...

Meu irmão tem sempre o ouvido e o coração abertos para "um dedo de prosa" como diz ele, seja onde e com quem for, assim tem sempre coisas interessantes pra contar. Legal! E muito legal a foto do avião, adorei! Bjo Nina

Cris Schmidt disse...

Que delicia sua crônica! Só agora tive tempo para lê-la. É bom demais ter oportunidade de conhecer pessoas diferentes com outra cultura e perspectivas diversas. Sei que está sempre atento a isso, nao deixando passar um minuto sequer e acima de tudo curtindo pra caramba. Que bom, né?
Vamos conversar um pouco esta semana???
UM BOM DIA PRO CÊ!
CRIS

Carla disse...

Cada viagem tem as suas surpresas, emoções e aprendizados. É isso que nos faz querer sempre mais!!
Bacana a crônica! Beijos, Cacá.

Wilson disse...

Oi Darinho,

Tudo bem? Acabei de ler algumas coisas no seu blog pra relaxar. Estou trabalhando agora na obra do Maracanã com a responsa de toda a topografia, e é muito bom ler suas crônicas. Meu filho mais velho, o iraquiano Donato Neto está trabalhando no deserto de Atacama no Chile. Para aliviar um pouco a solidão ele resolveu criar um blog, http://donatoandrade.wordpress.com, por isso me lembrei de você. Seu blog vai ser um grande incentivo para ele. Grande abraço.

Maristela disse...

E aí , como está? Mas...que pergunta!!!! Sempre viajando, conhecendo
pessoas e num trabalho muito gratificante, acredito que muito bem com
a familia,,,então que Deus conserve isto tudo. Li sua última crônica
na Voz da cidade. de visual novo, ficou muito bom. A crônica
excelente. Envio um bom Dia pras minhas filhas e familia todos os
dias. Inclui você. Está recebendo? Bem...Estou indo na feira. Se não
madrugo, não dou conta do recado. Excelente final de semana e o meu
abraço.

Blanca disse...

He intentado responderte al blog pero no lo he conseguido. Me gusta mucho tu escrito sobre todo por la humanidad que reflejas. Es mi hora de dormir! Un beso y hasta pronto.
Blanca