segunda-feira, 16 de abril de 2012

A foto nossa de cada dia


A foto nossa de cada dia

Dário Borim Jr
dborim@umassd.edu




Sou um apaixonado pela vida. Por isso mesmo, às vezes, mas muito de vez em quando, estou de mal com ela. Porque a paixão implica em querer muito, e mais, e muito mais, só que nada é eterno. O próprio amor pela vida precisa ser sempre renovado, re-energizado e reinventado. A vida em si e o amor por ela são, portanto, como o amor romântico.
Por ser um apaixonado pela vida, sou também apaixonado por literatura, que leio, ensino ou escrevo; por música que ouço sozinho ou toco para o mundo curtir pelo meu programa de rádio e internet; por cinema, que assisto ou mostro a meus alunos; e pelos causos da vida real, que me contam e reconto nas minhas crônicas e nos encontros pelos bares da vida. Esses hábitos e interesses tornam minha vida mais intensa, mais musical, mais cheia de vida, com seus dramas, euforias e mistérios.
Eu também gostaria de poder imaginar e recriar o mundo nas telas, mas não sou pintor, e desenho muito mal desenho livre, quero dizer. Até que no desenho arquitetônico me dei relativamente bem. Isso foi durante meu curso secundário de Edificações, em Belo Horizonte. Agora, nos últimos três anos, e nos últimos três meses, em particular, cresceu em mim uma velha fascinação por imagens. De repente tornei-me um fotógrafo amador, um tipo de artista de câmera na mão ou no bolso, com olhar inapelavelmente curioso e criativo para tudo e para todos. É um modo de amar a vida ainda mais, mais amiúde e mais detalhadamente. Não quero dizer que estou exatamente obcecado com as possibilidades de retratar o mundo através do meu diafragma eletrônico. Mas quase! Sim, minha câmera japonesa Panasonic, uma Lumix DMC-ZS10 azul, é quase que uma extensão dos meus olhos, com os quais compete. Tantas vezes é ela quem vence: enxerga mais longe através de um ligeiro e poderoso jogo de lentes de marca alemã, a Leica.
Antes de falar um pouco do que anda rolando no mundo da fotografia na era da internet (e do Facebook, em particular), eu queria voltar no tempo e recordar o amor de meu pai, Dário Borim, por retratos. Ele produziu e nos deixou vários álbuns com os frutos de sua Rolleiflex, milagre alemão de 1939 que revolucionou o mundo da fotografia. (E ela ainda é produzida e muito ambicionada em plena era digital!)
Outra figura memorável é a do sr. Nunes Prado, artista das lentes que registrou em filmes e em papel as vidas de tantas gerações de Paraguaçu. Eu não tinha nascido quando (se, de fato) existiu algum lambe-lambe em nossa terra, mas, um terceiro personagem da minha memória fotográfica é a do Sr. Stanislaw Ostrowisk, aquele senhor que de vez em quando passeava pela praça Oswaldo Costa tirando fotos pequeninas para vendê-las em forma de monóculos de plástico. Quem sabe um dia desses ainda vou encontrar no fundo de um baú o monóculo que o sr. Polonês fez de mim, numa pose de moleque transvestido em roupa de domingo.
E por falar nelas, outro dia uma querida amiga de infância, a Rosane Maria Prado Moraes, filha de Heitor e Maria Moraes, residente em São Carlos há muitos anos, postou no FaceBook uma foto dos velhos tempos, uma daquelas de monóculos. Ela e muitos amigos nossos estão empenhados em escanear e postar milhares de antigas fotos de familiares e amigos. Antes de aparecer o tal de FaceBook, a internet já facilitava, é claro, o hábito de compartilhar fotografias, mas nos últimos dois anos essa prática se popularizou enormemente. Isso é fascinante..
O deleite popular da fotografia não é coisa recente, com certeza. Como muita gente por aí, lembro-me bem daquela Olympus Trip 35, fantástica câmera de bolso japonesa que entre 1967 e 1984 superou a venda de 10 milhões de unidades. Hoje existe um website exclusivamente dedicado às belas fotos tiradas por jornalistas ingleses com essas pequenas e competentes câmeras. Naquela época, o problema não era apenas ter dinheiro para comprar uma máquina. Era preciso ter grana para revelar as fotos e, depois, pagar o correio, se quiséssemos compartilhá-las. Ao morar nos Estados Unidos entre 1981 e 1982 tirei perto de mil fotografias, mas meus pais e meus amigos não puderam ver nem 10% delas antes de eu voltar. 
Hoje, no mesmo minuto em que tiro uma foto posso postá-la no FaceBook ou enviá-la para centenas de amigos que poderão vê-las antes mesmo desse primeiro minuto se expirar. Tão gratificante quanto receber essas fotos é poder comentá-las em público, atingindo centenas de amigos que por elas se interessarem. Desse modo as fotografias mostram um mundo do presente ou do passado que ressuscita múltiplas histórias oriundas de pessoas de diversas idades. Através delas, por exemplo, não só fiquei sabendo, mas vi, que minha mãe (sim, d. Lucci Prado Mendes Borim, hoje chegando à beira dos noventa anos) andava a cavalo na juventude. Anna Campos e Silva, minha amiga no FaceBook, postou uma foto em que sua mãe, d. Aparecida Prado, passeava com Lucci, além das suas amigas, tia Vanda Borim Lappoli e d. Onésia Tavares, entre outras.
Esse é o poder das fotografias. É por causa dele que eu, na era digital, já fiz minha Panasonic (a quem chamo de Azulinha) trabalhar incessantemente desde que a recebi pelo correio 12 dias atrás. Já foram mais de 800 cliques e não sei quantas emoções em mim e em centenas de amigos. Mas isso é pouco. Hoje, com a chance de escanear e repassar verdadeiras relíquias do passado, o show da vida ficou ainda mais memorável e apaixonante. Fotos que até pouco tempo mofavam em álbuns abandonados, hoje são motivos de pasmo, delírios, entre nossas próprias recordações e as fascinantes revelações que nos fazem os amigos ao ver, lembrar e comentar as mesmas fotografias. 
Vivemos num século XXI digno das melhores fantasias de ficção científica, e minha paixão pela vida se renova a cada olhar ao meu redor e na tela do meu computador. Acompanho as transformações da natureza, por exemplo, como quem nunca tivesse aprendido na escola que, embora o sol se levante e se ponha todos os dias, não há um único dia de bichos, cheiros, cores, formas, luz, plantas, nuvens, reflexos, sons, e sombras como os de outro dia. Assim foi e assim será. Amém!  

11 comentários:

Mariangela disse...

Fantástica crônica Dario Borim...tiete sempre..rsrsrsr...beijo grande

Rosa disse...

VERY TRUE!!! ESSA FICOU UMA DELICIA DE LER XXX

Anamaria disse...

Parabéns...não é parabéns e sim muito mais que isso...sua crônica é um verdadeiro café com pão de queijo e broinha de milho para arrematar. Delícia pura.

Cris Schmidt disse...

Ahuuuuuuuuuuuu Gerarrrrrrrrrda!!!! Delicia sua história, meu amigo inspirado, apaixonado pela vida, sensivel, doce, bom de papo e bem humorado!!! (acho melhor eu parar de elogiar, se nao ficará muito metido hahahahahah!!!!, mas vc é isso sim, quer dizer, sao todas qualidades q disse e nao metido hehehehehe
Obrigada por compartilhar comigo suas inspiraçoes. Saudades do cê!!!

Zé disse...

Darinho, das melhores cronicas que voce já escreveu, principalmente o elogio à vida. A sua máquina é poderosa.
Tenho em casa 2 monóculos da Silvinha e 1 meu. Consegui encontrar em BH 1 fotógrafo antigo que ainda tinha algumas peças e comprei, colocando os negativos. Aliás a moda é tão antiga que enxergávamos com 1 olho só, monóculo ao invés do binóculo.
abraço

Rosane disse...

Oi Darinho, vc não se enganou não, realmente fui eu quem mencionou as fotos
de monoculo.Li a crônica.como não poderia deixar de ser, muito boa. Tb já tive uma fase de muitas fotos qdo comprei há 12 anos atrás um Pentax K1000
uma máquina excelente tb, hoje não uso mais pq já não encontro com facilidade quem revele as fotos. A digital nos trouxe mais facilidade porém
eu curtia mesmo era as semi automáticas que exigiam mais do fotografo. Um abraço..fico aguardando a próxima crônica....Abç Rosane

Guiu disse...

Oh, Brother--
Ainda estou fora do facebook, divido com voce esse prazer em tirar fotos!
Curisamente ontem minha maquina registrou a foto 7 mil! E as primeiras foram com vcs na sua antiga churrasqueira que preparou um cod grelhado enquanto agurdavamos mais uma vitoria do red sox...
Grandes momentos registrados com imagem!
Abraco

Georgia disse...

Primo, simplesmente AMEI... ainda mais vendo a Vandinha alí no cavalo... me deu tanta saudade dela!!

Estamos em falta, né? Vamos tentar conversar esta semana? Será sempre muito bom falar com vc!!

Beijossss

Donato Andrade disse...

E ai Dario...
Excelente os seus textos...
E agora alem do amor pelo Blog, estou dividindo o amor pela Fotografia também.
Há três semanas comprei uma Canon EOS Rebel T3. Já estou chegando perto do numero 1000 de fotos.
Envia-me depois o link da sua radio... Gostaria de escutar.

Um abraço...

Donato Andrade disse...

E ai Dario...
Excelente os seus textos...
E agora alem do amor pelo Blog, estou dividindo o amor pela Fotografia também.
Há três semanas comprei uma Canon EOS Rebel T3. Já estou chegando perto do numero 1000 de fotos.
Envia-me depois o link da sua radio... Gostaria de escutar.

Um abraço...

Maristela Faria disse...

Nossa!!! Na sua última crônica sua euforia a respeito da vida, está
contagiante. É isso mesmo. Viver é maravilhoso! Sua crônica está de
"levantar defunto da cova" de tão espetacular. Super legal, alegre,
verdadeira, eufórica. Quanto aos fotógrafos, vou passar na sua frente
e ir para década de 40 e 50. Antes do Nunes tirei foto com sr. Manoel
Alvarenga. Tinha aquele tripé com uma caixinha que ele cobria com um
pano preto e só entregava dali umas semanas. Que diferença dos dias de
hoje como você comentou. Abraços. Bom final de semana.