terça-feira, 7 de janeiro de 2014

O Peixe de um Cronista





O Peixe de um Cronista

Dário Borim Jr.

Qual é a diferença entre um cronista e um fofoqueiro? Não sei não. Existe? Talvez se possa dizer que o que vale é o intuito, e como funciona a coisa, e não como é a coisa em si. Por exemplo, a crônica é arte que visa entreter, informar e provocar reflexão ao contar um caso, seja ele alegre ou triste. A fofoca é vício, como birita, cigarro, chocolate, FaceBook, ou telenovela. Na pior das hipóteses, a fofoca é maliciosa -- ou até mesmo cruel. Sai da boca pelo prazer de espalhar notícias sobre acontecimentos e comportamentos que quase sempre comprometem a imagem de uma pessoa conhecida. Quase nunca positivos, esses casos são comumente mentirosos, frutos de um espírito maldoso e mesquinho. Na melhor das hipóteses, a fofoca é apenas leviana. Brota inocente de uma imaginação fértil e desocupada.
Quem sabe vocês já me conhecem de outros carnavais. Afinal de contas, escrevo e publico crônicas há mais de 30 anos. De outro modo, quem sabe, depois de ler os casos que pretendo aqui relatar, talvez vocês concordem comigo: pelo menos enquanto cronista, Dário Borim Jr.  não é fofoqueiro. Talvez o oposto dessa conclusão seja oposto a ela duas vezes: enquanto fofoqueiro, sou cronista. Verdade? Adoro e capricho não apenas ao escrever mas também ao contar, em viva-voz, um caso qualquer. Para aqueles que me conhecem pessoalmente, deixo essa querela para vocês decidirem por si mesmos, baseados nas lembranças de nossas conversas em festas, caminhadas e botequins.
De antemão, confesso: tenho a consciência tranquila e ponho a mão no fogo. Julguem-me, bem ou mal, entre uma crônica ou uma fofoca que ouvirem de mim, hahaha… mas falem de mim! Ah, isso já está estando indo longe demais: chega de teoria e filosofia! Estou (sem querer sonhar com tal honra) já soando como um Machado de Assis de meia-tigela, o que seria uma (des)honra a um dos maiores cronistas (ou fofoqueiros?) do Brasil.
O primeiro “causo” que pretendo relatar (porque em Minas contamos “causos”) é o de um professor, historiador e jornalista -- um grande amigo da Galícia. O segundo caso é o de um casal de amigos de alguns amigos meus. O problema é que o espaço para a crônica no jornal é menor que a paciência de quem espera uma boa fofoca. E eu gastei muito espaço aqui com minhas teorias e filosofias. Meu irmão, o Tatau, não por coincidência, engenheiro, detesta as partes teóricas das minhas crônicas. Acha que é pura encheção de linguiça, falta de assunto… hahaha. Desculpem, mas não sou um José Simão, da Folha de São Paulo. Sou um acadêmico, das humanidade: sem teoria, sou degolado pelo sistema.
Então, pronto: aqui vai o “causo” de hoje. Vim a conhecer Alberto Pena Rodriguez (seu nome de batismo) na Universidade de Massachusetts Dartmouth faz ano e meio.  Seu avô criou quatros filhos trabalhando de pescador, sem contar com mais que uma pequena barca de madeira. Vida penosa! O pai de Alberto, por outro lado, saía pelos mares como pescador e marinheiro por períodos de até um ano e meio. Depois regressava à Galícia, e o pequeno Alberto às vezes nem o reconhecia. O pai passava um ou dois meses com a esposa e dois filhos, antes de voltar novamente ao mar do Norte. Vida dura!
Alberto então começou a trabalhar temporariamente aos 15 anos de idade. Assim foi economizando dinheiro, ao frequentar o segundo grau, para poder estudar Jornalismo em Madri. Nos anos de faculdade, trabalhava durante o verão limpando as praias de seu vilarejo, Moanha, a 20 km de Vigo. Pouco tempo após se bacharelar, foi contratado pela TVE (Televisão Pública Espanhola) como jornalista correspondente na Galícia, com ótimo salário. Naquela parte do mundo e naquela época, início dos anos 90, um rendimento mensal de 3.000 dólares não era nada ruim para um jovem de 24 anos.
Sucesso profissional e dinheiro no bolso não lhe eram suficientes. Queria realizar outros sonhos, e um deles era entrar para o mundo acadêmico e se tornar pesquisador. Depois de três ou quarto anos trabalhando como jornalista, abandonou o emprego que lhe dava boa remuneração e prestígio social (pois aparecia diariamente na TV). Solicitou e recebeu uma bolsa de estudos para fazer doutorado em História do Jornalismo, novamente em Madri. Alberto, pois, trocava o bom salário de jornalista pelos baixos rendimentos de estudante-bolsista, mas com forte determinação ele buscava os seus ideais.
Poucos meses após se tornar doutor, passou em concurso para a Universidade de Vigo, onde logo foi promovido a decano e, em pouco tempo, a diretor da faculdade. Casado com Estela, uma advogada, e pai de Lina, de 9 anos, e Denís, de 2, Alberto deixou-os penosamente na Galícia por um semestre (é muito afetivo o meu amigo), período em que deu um seminário na Pós-Graduação em Estudos Luso-Afro-Brasileiros e Teoria e pesquisou no Arquivo Mendes-Ferreira da UMD. Nesse mesmo período, não apenas fez mais investigações, inclusive nas universidades de Harvard, UC Berkeley e Brown, mas também concluiu um livro sobre toda a história do jornalismo luso-americano.
Antes de regressar a sua família e a seu país, Alberto deu-me o prazer de vir almoçar comigo. Fiz-lhe um haddock fresco, apesar de saber que o homem  conhecia muito bem da arte de se preparar um bom pescado. Contou-me sua história diante de um cozinheiro curioso, que não se cansava de lhe fazer novas perguntas. Alberto disse que gostou do meu peixe, mas quem ganhou o peixe fui eu, um cronista (ou fofoqueiro de boas intenções) muito feliz ao ouvir tal bela história de um homem simples e generoso, uma pessoa inteligente e competente, um conhecedor e realizador de sonhos.



2 comentários:

Leila disse...

oi dario!
gostei da croniica. morri de rir ao ler: "Sou um acadêmico, das humanidade: sem teoria, sou degolado pelo sistema."

Alberto disse...

Meu Carissimo Dário, viva!

Antes de mais, Feliz 2014!
O meu Natal foi muito familiar, matando as saudades que acumulei nos EE.UU. Estou a ver que o frio polar da Nova Inglaterra não paralisa a sua inspiração!

Li com muito gosto e gratidão a sua crónica. Mas fiquei um bocado envergonhado. Porque sempre fui eu a fazer as crónicas sobre os outros. A mania de ter o contrôlo da realidade. Além disto, o seu relato cria sobre mim uma imagen de herói, que é absoluta ficção!
Mas compreendo que a realidade e a ficção têm fronteiras que só o autor pode e deve estabelecer em determinados géneros.

Qualquer modo, seguindo as suas indicações, vou-lhe fazer as minhas observações.
Mas mude o que quiser, pois a história é sua. Você tem na sua caneta o contrôlo da minha vida.
Eu não posso tentar modificar o fruto criativo da sua imaginação e a sua memória. Agora não podemos mudar os ingredientes do excelente prato de peixe que você preparou!
Cada prato de comida é diferente. Cada prato tem um sabor, tem uma história. O poder da imaginação não pode estar limitado pelos constrangimentos da (minha) realidade. Mas escreva o que escrever, tenha presente que eu não sou nenhum herói. Como você, só estou a percorrer um caminho que ainda não sei a onde êle vai.
Obrigadissimo pelo seu cordial relato! Agora sou uma personagem da sua literatura :) De algum modo, metafóricamente, o meu futuro depende agora da sua imaginação... Que o 2014 lhe traga mais sonhos literários.
Grande abraço,
Alberto