sábado, 7 de março de 2015

Entre a Pera e a Maçã


Entre a Pera e a Maçã

Dário Borim Jr.

Em versos de uma divertida e astuta canção de 1984, “Língua”, o eu lírico de Caetano Veloso diz que “a poesia está para a prosa/ Assim como o amor está para a amizade/ E quem há de negar que esta lhe é superior?” A poesia tem mesmo muito em comum com o amor romântico. Nem sempre, é claro, mas tantas vezes a poesia faz-se expressão figurativa, conotativa, e ambígua dos sentimentos em forma de desejos, sonhos, ilusões, ciúmes e paixões. Ela brota do “eu” do escritor e o relaciona com o mundo externo, onde vive, principalmente, a pessoa a quem ama. A ficção em prosa, por outro lado, tende a ser menos simbólica, mais denotativa, e menos ambígua do que a poesia. É mais voltada para a retratação das ações de várias personagens. A prosa brota da necessidade de se contar uma história num mundo onde várias pessoas agem segundo uma multiplicidade de interesses e imperativos, entre os pragmáticos e os emocionais.
O amor romântico geralmente existe por apenas um ser de cada vez, e a poesia brota na voz de um só eu lírico a expor suas próprias emoções e reflexões. A amizade, por outro lado, é o que nos une a várias pessoas queridas, da mesma forma que a prosa (muitas vezes sem mesmo um único narrador a viver no mesmo mundo dos personagens) perfila e dá voz a várias personagens através de diálogos.
Mas há uma coisa em comum entre o amor romântico e a amizade. A compreensão e a experiência de ambos são diferentes de cultura para cultura pelo mundo afora e vêm-se modificando ao longo dos milênios. O amor romântico, especialmente o do tipo amor-paixão, por exemplo, não foi praticado por muita gente antes da era do amor cortês, o da poesia trovadoresca da Idade Média.
Outro dia, o Ian, filho atualmente morando no Marrocos, dizia que a amizade lá e em outros países árabes é quase como que um contrato social. Há muita lealdade e muita expectativa entre amigos -- do mesmo modo, entre amigas, por outro. Estive no Egito e pude constatar que muitos homens andam pelas ruas de braços dados com outros homens, e mulheres passeiam de mãos dadas com outras mulheres. Entretanto, naquela cultura não se pode externar o amor romântico em público. Não se pode dar as mãos e nem se beijar no rosto do sexo oposto, nem mesmo entre pessoas casadas, ou entre pais e filhos adultos.
As diferenças também podem ser individuais. Ninguém tem um círculo de amizades igual ao de outra pessoa, muito menos os mesmos sentimentos pelas mesmas pessoas. Sei, porém, que valorizo intensamente minhas relações com vários amigos e amigas, pessoas que carrego no lado esquerdo do peito há muito ou há pouco tempo, sem que essa marca do tempo determine a intensidade daquelas afeições.
Na minha mais recente viagem ao Brasil vivi momentos preciosos na companhia de novos e de velhos amigos. Aliás, essa é outra característica deles em conjunto: podem ser 5, 10, 20, ou até mesmo 30 anos mais velhos ou mais novos do que eu eu. Lembro-me de Carlos Prado Campos, o Carlitos do Cine Íris. Nossa diferença de idade era de pelo menos 30 anos, mas eu o considerava um amigo. Jogávamos xadrez, tomávamos cerveja, falávamos de literatura e abríamos os corações. Aqui nos Estados Unidos, um de meus melhores amigos é Rick Hogan, um professor de filosofia aposentado, quinze anos mais velho que eu.
Então, de passagem por Belo Horizonte, dois meses atrás, fui convidado pelo meu queridíssimo amigo Geraldo Faraci para curtir um fim de semana na sua casa de campo, localizada no charmoso condomínio Retiro do Chalé, perto de Belo Horizonte. Para lá iria também outro amigo do peito, João Batista Vaz Xavier. Nós três já vimos curtindo nossa amizade há nada menos que 35 anos! Também foram convidados para o almoço de sábado naquele recanto edênico, entre as belas montanhas de Minas, o meu mano, o Tatau, e sua esposa, Jac, a quem conheço e estimo como irmã faz bem mais que 30 anos!
Para elevar ainda mais o astral da ocasião – o reencontro de velhos amigos – tive a ideia de convidar uma pessoa que pudesse levar para a festa o dom que mais aprecio, desde que me entendo por gente: a música. Eu já tinha ouvido a jovem Marina Bueno tocar violão e cantar uma vez, alguns anos atrás, numa festa de Natal na casa de D. Walderez Mignacca. Achei fenomenal que uma adolescente conhecesse tantas canções de múltiplas gerações e pudesse interpretar tão bem e tão despretensiosamente diante de dezenas de amigos e parentes. Filha de Lígia e Vinícius Bueno, um amigo dos tempos do Juvenato também apaixonado por música, a jovem Marina encantou a todos naquela tarde em Paraguaçu.
Um dos elementos que sustentam as amizades ao longo dos anos é o gosto pelas mesmas coisas, e ali, no Retiro do Chalé, a música era um dos mais fortes elos. Na espera do almoço, sob o comando e sob o delicioso atraso do grande mestre-cuca Batista, o menu musical incluía canções de Tom Jobim, Jorge Benjor, Rita Lee, Raul Seixas, Tim Maia, Cazuza e muito mais. Com sua voz afinada, Marina parecia não se importar com os desafinados ao redor, cujo entusiasmo subia mais um pouco a cada golo da verde (caipirinha) ou da amarela (cerveja). Ao longo de algumas horas de cantoria, estava claro que todos viam ali se formando novos elos do coração. Era óbvio que a química entre os velhos e novos amigos fazia coro do que há de mais agradável na vida: a paz e a alegria entre as pessoas que se apreciam.
Na cadência do samba ou do rock’n’roll, ouviu-se uma verdade tácita – mas extravasada – no brilho dos olhos de cada um dos presentes. Não tenho dúvida: ao lado do amor, a amizade se sustenta no topo das experiências humanas. Na casa de Geraldo e Sônia Imanishi, Marina também foi capaz de ajudar esse casal a reviver momentos que jamais deixarão de habitar o âmago dos seus seres. Os dois compartilharam com a nova amiga as partituras das canções que sua filha Yumi mais tocava e cantava.
Apesar de breve, Yumi viveu uma intensa e fascinante vida de viagens, esportes e, principalmente, música, que tocava muito bem ao violão e cantava em português, espanhol, inglês ou japonês. Ela faleceu tragicamente em Ilha Grande quatro anos atrás, quase à mesma idade que Marina tem hoje. A magia de ver Marina percorrer, comentar e interpretar as cifras de Yumi não teve par. Seu talento, sensibilidade e carinho fizeram com que pais e amigos presentes sentissem que Yumi ali estava também. E quem poderia dizer que ela não estava?
As analogias podem ser verdadeiras, mas jamais esqueci uma advertência que ouvi de Ronald Souza, o professor luso-americano que me orientou num dos dois mestrados que fiz na Universidade de Minnesota: “cuidado, as analogias podem ser perigosas e enganosas”. Gosto e concordo com o que dizem os dois primeiros dos versos citados acima. Já sobre o terceiro, tenho dúvidas. Como posso afirmar que a pera é “superior” ou “inferior” à maçã? Nem uma coisa nem outra, são como amizade e o amor, que têm mais uma característica em comum: operam milagres nos corações daqueles que amam e/ou cultivam as formas mais sinceras e profundas de amizade. Essas, para mim, constituem-se no prazer maior de viver.

15 comentários:

Nina disse...

Dário, a crônica está ótima! Dá pra sentir como o momento foi gostoso e refletir sobre a amizade... Este sentimento que, independente de sua superioridade em relação ao amor, é algo muito nobre e que torna nossa passagem por aqui muito mais rica e significativa. Tenho muita honra em ser tua amiga! Beijo. Nina

djborim disse...

Obrigado por ler e comentar com generosidade o novo rebento, Nina! Tb tenho muito honra e prazer em te-la como amiga.Bjo

Silvana disse...

Maravilhosa sua crônica, meu irmão, muuito bem elaborada e assim você imortaliza sua experiências de vida, tão preciosas a sua lembrança e de todos nós envolvidos! Bjos da fã Nina

Carla disse...

Linda crônica, adorei!

CP disse...

"Gosto de sentir a minha língua roçar..."

djborim disse...

Pra vc, Charles A. Perrone:

http://www.jstor.org/discover/10.2307/3513713...

"Roçando a língua de Camões: Reverência e dessacralização do idioma português em Caetano Veloso"
Author(s): Dário Borim Jr.Source: Luso-Brazilian Review, Vol. 41, No. 2 (2005), pp. 126-143 Published by: University of Wisconsin

Nat disse...

Excelente!

Vinicus disse...

Bela crônica Darinho ! Ficamos comovidos por aquí.

djborim disse...

Ah que bom, Vinicius, que gostaram! Obrigado!

Vinicius disse...

Nós é que agradecemos o carinho com a Marina!

djborim disse...

Ela e voces merecem, Vinicius!

Marina disse...

Encantada com essa cronica! Ate' me emocionei hahah amizade é tudo!

djborim disse...

Obrigado, Marina!

José Carlos disse...

Mano,
Li e gostei.
Você continua este ‘trovador’ apaixonado pela vida e pelas pessoas. Que Deus conserve!
Abraços,
José Carlos Borim

Silvia Borim Codo Dias disse...

Hum...muito bom!!!! Cabeça pensante! É... agora entendo porque escritor gosta tanto de conversar fiado... Saem essas coisas maravilhosas....'simples!!!