sábado, 2 de abril de 2016

O Grande Dia dos Coxinhas do PT nos EUA




O Grande Dia dos Coxinhas do PT nos EUA
Dário Borim Jr.
UMass Dartmouth

“Perfil ‘coxinha’ domina manifestações pró e anti-Dilma em São Paulo”. Essa é uma manchete da Folha de São Paulo de ontem, 1 de abril, 2016. Também ontem, no segundo dia do congresso internacional da BRASA, Brazilian Studies Association, sendo realizado na Universidade Brown, instituição da Rede de Elite (Ivy League) dos Estados Unidos (como a Harvard e a Yale), pude ver muitos coxinhas em ação política. 
Aliás, como eu mesmo, lá só havia ‘coxinha’ numa sessão plenária com algumas centenas de acadêmicos. Num embate bem mais quente que uma simples brasa, venceu a ala de opinião majoritária presente na hora da votação sobre uma declaração dita em defesa da democracia e do estado de direito. Inicialmente, lá não se encontrava nem um quarto dos associados da BRASA (quando teve início a sessão). Duas horas depois, na hora de apurar votos, não se encontrava mais ali nem a metade do público antes presente. 
Éramos todos coxinhas, sim, dentro dos dois critérios – escolaridade e vencimentos – que usa o texto daquela reportagem comentando uma pesquisa realizada pelo Datafolha. Na avenida Paulista, no dia 13, na maior manifestação a favor do impeachment, diz o Datafolha, “77% dos presentes tinham ensino superior. Proporção semelhante (73%) foi encontrada na praça da Sé na última quinta-feira (31), último ato em defesa da presidente”. No quesito salário, “se dá relação parecida. Na praça da Sé, entre manifestantes pró-Dilma, metade declarou ganhar de 5 a 50 salários mínimos mensais. O índice é o dobro do registrado entre a população paulistana e guarda mais semelhanças com o dos presentes ao ato anti-Dilma da avenida Paulista (61%)”. Este é o link:http://www1.folha.uol.com.br/…/1756731-perfil-coxinha-domin… 
Reunidos na Brown, éramos todos doutores ou quase doutores de alguma ciência ou humanidades, com ou a caminho de salários bem avantajados, se comparados com o resto da população. Mas pela complexidade e profundidade do debate, não parecíamos não. Ao fim da sessão, onde se discutiram os problemas e potenciais dos estudos brasileiros nos EUA, um dos distintos coxinhas, um brasileiro como eu, apresentou um texto impresso em uma única página em defesa da democracia e do estado de direito. Houve muitos depoimentos, provavelmente um depoimento contra a adoção daquele documento a cada 10 vozes que tomavam o microfone apoiando a iniciativa. Mas pouco se discutiu sobre os problemas do Brasil e o que de fato está ocorrendo nesse período de crise econômica, institucional, legal, moral e policial. O documento apresentado, já circulando com algum alcance na internet, caiu de pára-quedas e convenceu a maioria que o aprovou erguendo os braços. 
Apesar das boas intenções (a defesa da democracia e do estado de direito), é lamentável se perceber o exagero da retórica e a manipulação dos fatos naquele texto sem autor explícito. Imaginem que o texto condena a atual hegemonia da mídia e a alienação que ela supostamente fomenta através da censura e da manipulação dos fatos como se esses abusos hoje fossem piores do que aqueles do período da mais recente e mais sangrenta ditadura militar brasileira. Por outro lado, nada se fala das ações anti-éticas do foro que veio acobertar o ex-presidente Lula da Silva em momento em que já era investigado pela Polícia Federal. 
Não se menciona o fato de que o aliado mais poderoso do ex-presidente, José Dirceu, esteve envolvido até o pescoço no maior escândalo da história política do Brasil até então, o dito Mensalão, quando parlamentares ganhavam salários mensais para aprovar medidas do governo federal, tudo sob as narinas do ex-presidente, que “não sabia” de nada. Até mesmo encarcerado o distinto punho-forte do ex-presidente não desistiu de suas negociações e enriquecimento fraudulento, atuando naquele que já se tornou o maior escândalo mundial em termos de roubo/suborno/corrupção entre políticos, as propinas da Petrobrás. No momento já se apuraram nos bancos suíços nada menos que 800 milhões de dólares desses furtos. Muito mais ainda vai ser descoberto, pelo ritmo das investigações.
Então ontem, dia da mentira no Brasil e aniversário do nefasto golpe militar de 1964, a assembléia da BRASA votou e aprovou uma declaração política cujo conteúdo não faz justiça ao nível dos trabalhos acadêmicos desenvolvidos pelos seus constituintes. Muito se falou naquela sessão sobre o dever que tem o intelectual de se posicionar publicamente sobre as crises. Houve de fato uma primeira votação que aprovou por vasta maioria, quase unanimidade, a moção para que a BRASA se manifestasse de algum modo sobre a crise brasileira. 
Infelizmente o que se fez foi uma pobre expressão de politicagem tendenciosa que ignora o que maioria dos brasileiros já vê, sem nenhum PhD: que o país está mal, muito mal, e só poderá encontrar uma saída, mesmo que penosa, através da justiça e da punição, doa a quem doer, onde ela couber pelos trâmites da lei, para todas as pessoas, sejam elas parlamentares ou apoiadores de centro, direita ou esquerda, ou nada disso, pois sabemos muito bem como dançam entre essas posições os nossos representantes e os outros tantos poderosos de nossa sociedade. Impeachment está na constituição, e deve ocorrer quando um Collor da vida ou outro bandido ou "presidenta" (sic!) for legitimamente condenado/a. Golpes, esperamos, nunca mais, nem aqueles de se virar ministro no cair da noite para se fugir da polícia. (Ver abaixo a declaração, na íntegra.)


2 comentários:

Adriano Josafá disse...

Excelente texto Dário. Palmas, de pé! clap clap clap clap!

djborim disse...

Obrigado, Adriano! Precisamos pensar que melhores dias hao de chegar para nosso pais. Por enquanto estamos numa fase muito ruim, em momento de muita revelacao do que e' mais podre no governo e na "elite" industrial, e tambem do que e' uma incrivel alienacao nas mentes de boa parte da populacao (ainda bem que nao e' a maioria do povo). Abracao