sexta-feira, 9 de maio de 2008

Rumo ao Caribe

Dário Borim Jr.
dborim@umassd.edu

Dizem que tudo o que se torna rotina um dia acaba perdendo o fascínio. Deve ser por isso que enquanto eu sonho acordado, os passageiros ao meu lado dormem profundamente neste vôo Rio-Miami. A viagem é longa, e há muito tempo para pensar. Como o meu destino final é o Caribe (San Juan del Puerto Rico, mais precisamente), paisagens de praias e ilhas, com seus sons de salsa, calipso, reggae e merengue logo me convidam a refletir sobre o que possivelmente me espera nos próximos trinta dias que passarei de férias por ali.

Misturando-se a formas e sensações que observo à janela ou que construo eu mesmo na base da imaginação, vêm-me à mente algumas reminiscências de quando eu estava prestes a sobrevoar as águas do Caribe pela primeira vez. Deixava o centro de Bogotá, de táxi, rumo ao aeroporto internacional sem conseguir esconder muito bem o medo que tinha daquela cidade tão violenta. Logo pude ver estampada em vários postes de luz a figura de um brasileiro que também me inspirava medo, com a sua mania de cavalos e chicotes: o presidente e ditador João Baptista Figueiredo. Ele estaria visitando o país em breve. Eu tinha mais um pequeno motivo para apressar minha saída.

A certo momento o motorista me perguntou qual era o meu destino. Numa língua mista, o tal de "portunhol" que eu vinha aprimorando ao passar anteriormente pela Bolívia, Peru e Equador, eu lhe disse: "Me voy al Panamá, talvez a Costa Rica, o mismo Guatemala. Pero mi destino final son los Estados Unidos". O homem achou estranho eu me dirigir ao aeroporto sem saber para qual país estaria viajando. Expliquei-lhe que por causa das leis do Panamá e de outros países da América Central não se vendia passagem só de ida ao passageiro que partisse da Colômbia. Eu ingenuamente tinha muita esperança de encontrar alguma solução para aquele impasse burocrático no aeroporto, pois queria conhecer um pouco daquela região estreita e rodeada de mares. Mas se a dificuldade fosse muito grande, pegaria o próximo vôo para os Estados Unidos. Infelizmente, assim o fiz.

Hora e meia após chegar ao aeroporto de Bogotá já estava abordo de um velho DC-8 da extinta companhia norte-americana Branniff. Apesar de frustrado por não poder ver a América Central com os pés no chão, agora me entusiasmava com as informações transmitidas aos passageiros. O comandante anunciou "Jamaica à vista", e logo se pôs a relatar dados sobre a bela ex-colônia inglesa. Qual foi a minha surpresa quando passamos a sobrevoar uma massa de terra muito maior e nenhuma voz a mencionou pelos alto-falantes.

"Aquilo é Cuba, meu caro", disse um passageiro à minha esquerda. "Não sabe que aviões americanos não devem nem mencionar a ilha de Fidel em seus serviços de bordo?" Mas o céu estava limpo e quem quis pôde ver as belas ilhas de Cuba, sem problema. E não há Guerra-Fria que lhes negue o charme e as cores.

Sete anos depois daquelas primeiras impressões dos arquipélagos caribenhos lá estava eu de novo sobrevoando os mesmos mares. E antes que houvesse muito tempo para me aprofundar nos mistérios e imbecilidades da política internacional, pousávamos em Miami. Menos de quatro horas mais tarde, já em outra aeronave, me aproximava das ilhas de Porto Rico, terra de saboroso rum e de um sapinho do tamanho de uma unha, que canta a noite inteira como se fosse gente grande em serenatas sem fim.

O sabor da piña-colada e a força do balanço caribenho se tornavam mais vivos em mim, diante da iminência do pouso em San Juan. Acima de tudo, o prazer advinha da enorme expectativa de re-encontrar alguém muito especial que ali morava. Agora ainda posso ver aqui de cima, um pouco antes de encarar a pista que nos levará ao terminal de passageiros, um restinho desse maravilhoso mar azul-esverdeado, tão cristalino como os seus olhos, Ann. Então Tom Jobim e Vinícius de Moraes me dão uma colher. Nesses divinos instantes posso apostar que “há menos peixinhos a nadar no mar, do que os beijinhos que eu darei na sua boca”.
Posted by Picasa

3 comentários:

Rubia Yatsugafu disse...

Vou aproveitar a sua viagem e viajar um pouquinho também.

Fico pensando no que você disse: "Dizem que tudo o que se torna rotina um dia acaba perdendo o fascínio." Verdade... Penso muito nisto. A rotina - ou ver a rotina como rotina! - faz com que tenhamos uma relação muitas vezes morna com o mundo e as pessoas ou que passemos por elas (e elas por nós!) quase que de forma despercebida... Quantas coisas lindas passam sem serem notadas!

E não só as coisas bonitas, não é mesmo? Eu sempre azucrinava meus alunos (coitados!) no Brasil apelando para que não perdessem a sua capacidade de ver o que é feio, miserárevel e injusto neste mundo e de se indignarem e agirem diante do visto. Se o que não é bonito vira também rotina, apenas desviamos nossos corpos e/ou olhares e tudo pode passar despercebido...

Dário, você é uma pessoa que tem uma relação apaixonada a família, o trabalho, os amigos e colegas, os textos, enfim, com a vida e o mundo. É fascinante!! Obrigada por compartilhar esta paixão conosco ;o)

Rubia Yatsugafu.

Rubia Yatsugafu disse...

ops!
Faltou "com" no último parágrafo!!
"uma relação apaixonada COM a família, o trabalho..."

djborim disse...

Rubia,
Obrigado pela atencao e carinho. E' tao bom saber que as vezes a gente escreve coisas que tem ressonancia na mente de algumas pessoas. Sentimos que estamos mais proximos dos valores que temos em comum com elas, que estamos mais vivos por compartilhar sentimentos e impressoes ate' mesmo sobre os pequenos e nem por isso mais insignificantes misterios do dia a dia. Voce me parece ser tao sensivel e posso imaginar a profundidade dos seus sentimentos e preocupacoes quando se ve diante do sofrimento alheio. Isso da' esperanca e fe' em melhores dias nos meios por onde voce passar.
Um abraco, Dario